Memória, leitura e comemorações

Marta Morais da Costa

Neste 9 de agosto, meu pai faria 100 anos. Essa nossa ocidental preferência por números decimais e, talvez, a imagem mítica de Matusalém vivendo um século podem estar na origem de uma celebração desse percurso de tempo.

Para além dessa motivação numérico-religiosa está a ação da memória que, ao constatar na folhinha a data repetida durante muitos anos, que vinha acompanhada de abraços, festejos e presentes, presentifica imagens, palavras, recordações.

Gosto do termo recordações, que tem em seu centro a palavra coração. O latim cordem amarra-se ao prefixo de repetição e ao sufixo de ação e temos o passado em movimento. A data e o coração tomam de assalto a memória e num átimo atômico, o pregresso regressa.

Para sua leitura tranquila,  ó raro leitor ó esquiva leitora, não pretendo falar de emoções filiais, de sentimentos de falta, de histórias familiares extintas.

Quero tratar da memória. O neurocientista Richard Restak publicou recentemente no New York Times uma recomendação de cuidados com a mente e exercícios para preservar a memória. O primeiro desses cuidados é o da atenção, que exige um desapego de diversionismos e derivativos e uma constante vigilância para manter a focalização.

Quando ler dá sono, podemos apostar que o leitor está à beira de um colapso por excesso de trabalho ou sua atenção ao texto que lê se perdeu. Não se exclui, é claro, o falso leitor, aquele que faz pose de, o desabituado de leituras, até mesmo avesso a elas, que, para não passar vexame público, finge que leu.

Nesse artigo, Restak recomenda como exercício para a memória “ler mais romances”. Esta ingênua e persistente mediadora de leitura aqui, ao ver essa recomendação, elevou o neurocientista ao Panteão dos Gurus da Leitura.

Cá pra nós (como aprecio esta expressão de cumplicidade!), acompanhar um texto verbal longo não é para qualquer leitor digital ou de imagens (sequenciadas ou não). Talvez isso denuncie a memória curta de grande parte de cidadãos brasileiros… Não lembram o que viam e leram em curto espaço de tempo. Mais ainda, procuram apagar da memória, como se a vida fosse uma página em branco que se escreve a cada dia. Como se fôssemos seres caídos de galáxias vizinhas e de olhos completamente sem história nem imagens precedentes.

Ler um romance é exercitar a capacidade de lembrar. Lembrar personagens, espaços, imagens verbais poderosas e situações que aconteceram não a milhas de distância, mas há algumas páginas atrás.

Minha longa história com meu pai se encadeia  e se circulariza a cada dia à medida que mais dias cabem na minha biografia. Não é apenas no espelho que o reencontro. São frases, conceitos, conselhos. A nem todos adotei ou segui. Sem arrependimentos. Foram escolhas, desacordos e recusas. Como qualquer filho em sua relação com os pais, Freud explicou. Como a própria história das nações e dos povos: a imagem do Pai precisa ser superada para que a civilização possa afirmar-se.

A lembrança de meu pai no seu centenário me faz pensar mais agudamente e com tristeza no bicentenário do Brasil. E, no espelho dessa comemoração cívica, eu não me reconheço.

Fonte: https://www.estadao.com.br/internacional/nytiw/exercicios-mentais-e-mudanca-de-habitos-neurologista-da-dicas-para-proteger-a-memoria/. Acesso em 7 de agosto de 2022.