Quarentena 1

Marta Morais da Costa

Hoje cantei velhas canções.

Entoei palavras em desuso

verbos no pretérito

adjetivos de pura utopia:

galhardo, sinuoso, merencória.

Pastorinhas, perfídia, amor pra chuchu.

Visitei em notas e acordes

sentimentos plácidos,

a paixão perenal,

o ósculo sonhado,

a valsa dolente entre seus braços,

a queda que ensina a levantar,

beijinhos e peixinhos infinitos,

a vida que valia a pena.

A proximidade dos astros,

em que pisávamos distraídos,

em um carrossel de emoções,

resolvidas no riso aberto

e aos pés do altar.

A música melodiosa

ainda soa aos ouvidos

enquanto no ar, lá fora,

reina o silêncio do medo

e a ameaça do fim.

10/abril/2020

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s