Os preferidos

Aceitei um desafio proposto no facebook para apresentar, ao longo da semana, as capas de sete livros que fossem considerados relevantes em minha formação como leitora. O resultado dessa escolha difícil vem a seguir.

Dia 1

Vai longe o dia em que tudo começou, mas continua aqui próximo o encantamento da leitura de “Reinações de Narizinho”. A lamentar os brasileiros e brasileirinhos que passaram ao largo de Monteiro Lobato porque, segundo alguns professores, é “muito difícil de ler”, em especial porque escreve em português rsrsrs

Vai na capa primeira, no título primeiro: o amor primeiro.

Dia 2

No tempo em que os contos maravilhosos retornaram às bibliotecas (ignorados por quem acreditava que as fadas eram fator de alienação), Marina Colasanti trouxe um mundo de encantos, do imaginário recobrindo o inconsciente, de personagens e enredos ultrapassando os limites do racional e submergindo os leitores em inúmeros subtextos. A poesia e o encantamento vieram de mãos dadas a partir de “Uma ideia toda azul” (1980) e “Doze reis e a moça no labirinto do vento” (1982). Até hoje continuam de mãos dadas tecendo maravilhas e “A moça tecelã” se tornou senhora de muitas mentes femininas, sua representante poética e sua bandeira.

Dia 3

Antônio Callado escreveu sobre o Brasil, com argúcia, com dedicação, com amor não correspondido. Nando, protagonista do romance-retrato-epopeia deste país, “Quarup” (1967) em sua expedição em busca do centro geográfico do país, encontra-o em um formigueiro. Saúvas – hoje diríamos ratazanas – que consomem as forças do país. Quem o lê hoje? Callado era realmente um gentleman e um homem dominado pelo amor a um país ingrato.  De sua obra ficcional, minha paixão é por “Sempreviva”, uma história de amor e morte, de rebeldia e torturadores. Nela me encantam o lirismo rude, a linguagem poética e Herinha, a menina-natureza, nosso Puck (de “Sonhos de uma noite de verão”) tropical, a ninfa da vingança. Dessa paixão pelo romance nasceu o título de meu livro e de meu blog. Callado semprevivo.

Dia 4

são sete dezenas de pequenos textos encadeados em sequência de videoclipe, editados em 2001. rufatto usa o cenário da cidade de são paulo – que pode ser qualquer cidade – com seus habitantes quase invisíveis, com acontecimentos tipo trailer de filmes diferentes: ação, suspense, comédia, psicopatia, romantismo. a gente lê eles eram muitos cavalos (citação de um verso do romanceiro da inconfidência, de cecília meireles) e descobre a vida prismática de quem (sobre)vive na desigual urbanidade atual. a gente ri, quase chega às lágrimas, se revolta, se interroga, busca respostas e descobre que mesmo em minúsculas, a literatura nos coloca diante do imprevisível, do desumano, dos conflitos e da vida como ela é.

Dia 5

O teatro. Ah, o teatro! Coração rasgado em cada espetáculo, sangue arterial alterado em cada fala, veias abertas em cada gesto. Oduvaldo Vianna Filho, o Vianinha, deixou de herança – entre outras belezuras – este testamento, ditado em seu leito no hospital: “Rasga, coração”. Em 1969 assisti à estreia em Curitiba. Desde então vive em mim. O projeto de revolucionário do filho ainda jovem a dialogar e conflitar com o pai, velho revolucionário, agora em casa, mas assumindo o protagonismo de uma revolução cotidiana, a que podemos fazer todos na vida real, comum, burguesa ou não. O coração humano que se rasga nas batalhas diárias, seja por pão, paz, protagonismo, pensamento livre ou partilhamento. Ah, o teatro e os milênios de um legado de humanidade e denúncia.

Dia 6

Sándor Márai (1900-1989), um escritor húngaro, entrou em minha biblioteca e em minha leitura com este livro, “AS BRASAS”, indicado por uma grande amigo e enorme pessoa, o dr. Jamil Signorini. Chegou com delicadeza no grupo de leitura da PUCPR – que durou dez anos de leituras semanais ininterruptas, um tempo e uma atividade das mais felizes de minha vida profissional. Uma narrativa escrita com perfeição sobre a amizade, o amor, a honra, a palavra que revela e esconde. dois amigos se reencontram 41 anos depois: o tempo, a memória e o ajuste de contas com um passado sempre presente chegam ao leitor com vagar e profundidade, num entrecruzar de vozes que identificam a melhor literatura. Os detalhes, as sugestões e os fiapos de fala e memória são fios de uma teia que prende o leitor, que o fazem querer ler mais e outros livros do autor, que fazem valer demais o tempo de leitura investido. Li várias obras dele, traduzidas para o português, e igualmente apaixonantes. Uma delas – Veredicto em Canudos (2002) – apresenta sob uma perspectiva diferente a nossa epopeia de Canudos, texto que nasceu da leitura entusiasmada do livro de Euclides da Cunha, realizada por Sándor Márai. “As brasas” é uma obra-prima da literatura.

Dia 7

Deixei para o final da lista semanal a paixão mais forte, mais duradoura, mais vital. A obra total de Guimarães Rosa! Grande sertão: veredas: primal, inaugural, épico, transcendental, beleza perfeita. Citado e transcitado e trescitado por dez entre dez bons leitores. Paixão para a vida inteira, de mesa e cabeceira. Para não repetir, trago a capa de uma edição primorosa, com a ilustração do incrível e maravilhoso Poty. Basta comparar com as capas posteriores, para ver o quanto perdemos em desafio e beleza em troca da tal modernização. Os contos antológicos do volume, lançado em 1946, (salientando “Burrinho pedrês”, “Sarapalha”, “Duelo”, “São Marcos”, “Conversa de bois”, “A hora e a vez de Augusto Matraga”) desafiam até hoje nossos padrões de narrativa, desafiam a língua que pensamos conhecer, desafiam o pouco conhecimento que temos deste país, desafiam a literatura brasileira, inauguram rios caudalosos de outras obras que tentam se aproximar dela. Assunto para muitos e muitos posts. Poty traduziu como nenhum outro artista plástico a essência dessas narrativas. Amor geral pela obra, com coração em pedaços por não colocar também a trilogia de “Corpo de baile”. Ave, Guimarães Rosa! Os que escrevem deveriam te saudar. Os que escreverão talvez venham a te esquecer (a geleia geral de nossa cultura de fa$chada sequestra e esquece de nossos autores mais significativos).

Um comentário sobre “Os preferidos

Deixe uma resposta para Eder Capobianco Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s